Os Magníficos Frascos e seus Indescritíveis Perfumes

Frascos de Perfume e suas Fragrâncias

“Smell, like colour, is a biological phenomenon. It is not an intrinsic property of a molecule – it is what our cells feel when they touch it.

In other words, it is a problem of molecular recognition.”

Luca Turin – Secret of Scent.

Quem não aprecia um delicioso perfume? Um inebriante odor, seja ele proveniente da natureza como no caso de uma flor, e há tantas delas, tal qual jasmim, rosa, cravo, lírio do vale, magnólia, narciso, gardênia; ou então como de frutas tal qual morango, pêssego, maçã, abacaxi, melancia e coco; ou modernos como, ar fresco, chuva de verão, gelo seco, ou outros odores pungentes como os do tabaco, couro, patchouli e pimenta?

Jungle Eau de Parfum Kenzo 1996

Jockey Club Sec. 19 Inglaterra

A indústria dos perfumes veio suprir a necessidade de termos mais perto de nós e por mais tempo um aroma que gostamos. Não quero aqui citar a história, mas falo de carências mais recentes, onde o ser humano induzido pelo marketing moderno procura embelezar-se e nutrir-se com bálsamos e especiarias, pelo mais puro prazer, por necessidades auto afetivas ou por mero exibicionismo.

Acredito também que pelas exigências da indústria, nunca ficaremos sem qualquer fragrância, desde as mais antigas ou mais recentes, a não ser que esta seja uma escolha pessoal.

 

Ecusson Eau de Parfum Jean D'Albret 1947

Bellodgia Eau de Parfum Caron 1927

Atualmente temos uma vasta gama de perfumes estrangeiros e alguns nacionais. Mais de 500 novos perfumes são lançados no mercado cada ano. Nossa escolha acaba ficando cada dia mais difícil pois quase todas as fragrâncias atuais se assemelham muito com pequeníssimas variantes. Os grandes lançamentos são, genericamente falando, 90% cítricos para o mercado masculino e tendem a ser 90% com odor pêssego misturado com iris para o feminino.

Como deve-se fazer para escolher um novo perfume? Não tendo de antemão uma marca na cabeça, com a fragrância já conhecida e usada, é um processo bastante confuso. Normalmente uma loja especializada já se encontra previamente perfumada. Os odores estão todos misturados no ar pelos compradores anteriores, pelos “testers” que foram abertos ou pelos clientes que chegam in-devidamente perfumados.

 

Royal Dove Eau de Parfum Delagar 1960/80

Sair à procura de uma nova idéia ou um novo conceito de perfume exige um pouco de espírito de aventura. Sorte de encontrar a opinião abalizada de um vendedor conhecedor de seu “métier”, ou azar se encontrar um vendedor novato e feliz que poderá lhe oferecer uma dezena de perfumes e deixar você totalmente indecisa(o) porque, (a) são muito parecidos entre si (b) são muito doces (c) são muito cítricos (d) não apresentam um diferencial olfativo perante aqueles que você já possue (?). Se se faz cara de não saber o que se quer, o vendedor vai tentar lhe vender os últimos lançamentos, provavelmente de alguma atriz ou starlet americana tipo Sarah Jessica Parker, Paris Hilton ou Jennifer Lopez…nesse caso é preciso ter muito cuidado!

Annick Goutal Eau de Parfum Gardenia Passion 1989

A dúvida se instala; comprar por comprar sem amar ou por gostar mais ou menos de todos…Mas aí, a tentação arma uma cilada. Pensamos que não há mal nenhum em se levar algo novo para casa. Recentemente soubemos em uma pretigiosa revista que houve o lançamento de perfumes de quatro famosos Ateliers de Moda Internacionais. Eles estavam entre os dez que o vendedor havia lhe mostrado, mas nenhum deles cheirava especial. Entretanto seria terrivelmente bem estar “up to date” usando um deles nas festas com amigos. Afinal cheiros também elevam status. Odores revelam bom gosto, atitude perante a vida, posição na escala social! Ou não?

L'Air du Temps Eau de Parfum Nina Ricci 1948

Associar sua persona a uma marca de luxo é um verdadeiro sonho tornado realidade e perfume é um dos luxos mais acessíveis. Desfilar cheirando J’Adore (Dior/1999), Apple (Marc Jacobs/2010), Eau Sauvage (Dior/1966) ou Égoiste (Chanel/1990), poderá ser altamente edificante para seu ego, talvez um pouco menos para o seu bolso.

Omnia Green Jade Eau de Parfum Bulgari 2008

J'adore Dior / Eau de Parfum

J'adore Eau de Parfum Dior 1999

Assim, numa escolha quase como entre a vida e a morte, há de se decidir por um deles.

Qual será o fator decisional? Bem, se todos os odores parecem iguais, ou muito semelhantes, pode-se conectar com o segundo maior fator de escolha de um perfume, se não for um dos primeiros para muitas mulheres e homens – o seu frasco!

No começo do século, antes da Primeira Guerra Mundial, as grandes Casas de Moda como Chanel, Lanvin e Patou, lançaram seus “Parfum” em frascos feitos por Lalique e Baccarat que eram especizalizados em cristaleria. Seus frascos eram verdadeiras obras de arte.

Opening Night Parfum Lucien Lelong 1935

Mais tarde com a democratização do perfume, surgiram as “Eau de Toilette” e “Eau de Parfum” e os frascos então também se simplificaram e foram industrializados, sendo até hoje feitos em vidro com tampas em plástico e outros materiais mais baratos para atender a demanda do “middle market”.

Ainda assim, as marcas de luxo investem uma grande quantidade de dinheiro no ramo da perfumaria e consequentemente nos seus envólucros. Falo não somente dos frascos mas da embalagem como um todo. A caixa que protege o frasco é também motivo de design e complementa o conceito. Os frascos estão sempre sendo alvo de design altamente sofisticado para atrair cada vez mais clientes, muitos destes olfativamente destreinados e pouco exigentes. Aqui no Brasil o mercado responde diferentemente. Ainda é um mercado incipiente e o investimento é pequeno comparativamente ao mercado perfumista estrangeiro.

Opium Eau de Parfum Yves Saint Laurent 1977

Devo aqui abrir um parênteses, porque estaria sendo injusta se omitisse citar aqueles que são clientes fiéis de suas marcas, idólatras de seus odores – seus Chanel nº 5 (Chanel/1921), Opium (YSL/1977), Shalimar (Guerlain/1925), Polo (Ralph Lauren /1978), para falar dos odores mais tradicionais. Mulheres e homens sofisticados, cheirosos, amantes de aromas elegantes que remetem ao divino, são narizes que podem cheirar múltiplas essências e distinguir várias notas que compõe uma fragrância. São “home experts” e não são presas tão fáceis das últimas novidades e ardís das perfumarias de luxo.

Trésor Eau de Parfum Lancôme 2007

Dolce Vita Eau de Parfum Dior 1995

Entretanto é sabido que os perfumes antigos feitos atualmente tem sofrido reformulações e não são os mesmos que foram outrora. Obviamente as indústrias não se revelam. As razões são múltiplas; materiais naturais são substituidos por sintéticos porque escarcearam, desapareceram, ou tornaram-se muito caros e são substituidos por materiais mais baratos. Também variam de cheiro conforme a colheita do ano. Alguns materiais devem se adaptar à leis de segurança da IFRA – International Fragrance Association. Quem conheceu e usou regularmente um perfume e o for recomprá-lo hoje ficará seguramente decepcionado. Somente seu nome e talvez o frasco mantiveram-se iguais.

Shalimar de Guerlain não é mais o mesmo. Seu frasco acabou de ser redesenhado e sua fragrância não é mais a mesma. Restou somente sua idéia e seu mito. J’adore de Dior também. O frasco é igual, mas seu aroma é uma pálida idéia do que foi. Fleur de Rocaille de Caron (1933), cheirava a um inebriante bouquet de flores mas hoje cheira a rosa ácida.

Shalimar Parfum Guerlain 1925

Assim, continuando, o fator de escolha de um perfume recai inúmeras vezes no design dos frascos, quando o comprador não tão versado na ciência, desorientado pelos odores semelhantes, pelo vendedor desarticulado, pelo ambiente já odorizado, sucumbe ao forte apelo visual da embalagem. Este fator de escolha segundo pesquisas, ocorre em maior número no público masculino.

Este é o “ardil” e a tarefa mais difícil que os usuários devem enfrentar, porque é uma atração indescritível escolher entre os belos frascos coloridos contendo um mundo mágico de indescritíveis e misteriosos (para a maioria de nós) odores.

São ricos formatos geométricos ou orgânicos, altos ou baixos, em vidros brilhantes ou foscos, com acabamentos em metal, madeira e plásticos rebuscados; com tampas douradas, prateadas, acobreadas, transparentes ou sólidas, com uma riqueza de estampas e detalhes de ressaltos ou rebaixos, logos exóticos e rótulos com toda a sorte de técnicas, caixas suntuosas em papelões aveludados que antecipam o prazer do nobre encontro com a fragrância desejada, cobiçada (?) mas quase incógnita, momento este que se assemelha ao prazer que nos daria o encontro com um sedutor amante secreto.

Shalimar Eau de Cologne / Guerlain 1925

O design de produto e gráfico, portanto, tem um papel preponderante na vida da perfumaria. Como somos por natureza criaturas visuais e tácteis, queremos ser sensibilizados pelos objetos. Um perfume nos propõe três tipos bem fortes de sensibilização, a olfativa, a visual e a táctil. O Perfume é um objeto de alto sentido, porque traz prazer e função. Desde sua embalagem até seu conteúdo liquido envolvendo seu odor.

Por um lado ou por outro, esta indústria soube muito bem enredar seu público alvo.

Se a nossa aventura pela descoberta de um novo perfume for motivada simplesmente pela busca por um novo cheiro ou por uma memória olfativa ou ainda pela busca de status ou um impulso consumista ou quem sabe algum imperativo estético, devemos estar conscientes que de qualquer forma estamos presas(os) a outro imperativo, o econômico, da nossa era. Desta forma, mesmo pensando em todos os aspectos de sustentabilidade, por uma razão ou por outra acabaremos por comprá-lo!

Observação:

As fotos foram colocadas em ordem aleatória, mais por questões estéticas do que por razões históricas. Todos os frascos pertencem à coleção particular da autora.

Todas as fotos são de propriedade da autora. As fotos não podem ser reproduzidas.

Créditos:

Fotografias:

Suzana Sacchi Padovano

Anúncios